Skip to content

Apresentações dos Palestrantes

23/05/2011
Mariana Arantes Nasser – GÊNERO E CULTURA DE PAZ

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/78/original/genero20e20cultura20de20paz26041.ppt

Anúncios

Apresentações dos palestrantes

04/05/2011

Luis Cláudio Galhardi. Conselho de Cultura de Paz

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/59/original/3anos-de-compaz-2011.ppt 

 Carmen Magallón Portolés. Cultura de paz, derechos humanos y políticas públicas

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/60/original/10-sao-paulo.ppt

Melina Risso. Instituto Sou da Paz

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/63/original/apresentacao-cultura-de-paz.ppt

 Naiara Imedio. Construcción de la Paz en AECID

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/64/original/presentacion-sp-naiara-imedio-2011.ppt

 Manuel Dios Diz. Cultura de Paz y Ciudadanía Democrática

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/65/original/sao-paulo.-brasil.ppt

 Marie Ange Bordas. Luzes

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/66/original/1marieimagens.pps

 Sonia Helena Doria. Museu da Pessoa

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/67/original/cultura-de-paz.ppt

 Luis Roberto Alves. Diversidade Cultural, Arte e Cultura de Paz

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/68/original/cultura-de-paz-polis.docx

Rosa Marie Inojosa. UMAPAZ

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/69/original/en-pie-de-paz-rose-marie-inojosa-umapaz.ppt

Jose Antonio Mac Gregor. Práxis Gestión Especializda A.C.

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/70/original/sao-paulo-encuentro-cultura-en-pie-de-paz-2011-mcgregor.ppt

Federico Mayor Zaragoza. Video

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/71/original/encuentro-en-pie-de-paz-federico-mayor-zaragoza.mod

Corposinalizante

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/72/original/corposinalizante-sd.wmv

 Historias que mudam o mundo. Jonato

http://www.ccebrasil.org.br /system/downloads/61/original/jonato-ingles.wmv

 Internacional day for sharing life stories

http://www.ccebrasil.org.br /system/downloads/62/original/international-day-for-sharing-life-stories.wmv

 Principais pontos e questões levantadas durante o seminário

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/73/original/principais-pontos-e-questoes-levantadas-durante-o-seminario-.doc

 Anotações sobre o evento em pé de paz

http://www.ccebrasil.org.br/system/downloads/74/original/anotacoes-sobre-o-evento-en-pie-de-paz-abril-2011.doc

 

 

 

 

14/10/2010

O Centro Cultural de Espanha em São Paulo / Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID) e o Instituto Pólis estão organizando o Encontro InternacionalEn pie de paz” – Cultura de paz, políticas públicas e desenvolvimento cultural, a se realizar em São Paulo (Brasil), nos dias 25, 26 e 27 abril 2011.

Este evento internacional pretende abrir um espaço de reflexão e debate sobre as práticas de Cultura de Paz, a efetivação de políticas públicas e o desenvolvimento cultural nesse campo a partir de questões conceituais e também de práticas de cultura de paz em andamento. A grande quantidade de projetos e programas desenvolvidos atualmente – que abrangem desde pequenos grupos até atividades relacionadas aos conflitos e à paz internacional, passando por escolas e organizações da sociedade civil, é um indicador da importância do tema.

Esse Encontro busca reunir participantes do Brasil e de outros países iberoamericanos, incluindo pensadores, “artivistas”, agentes de cultura de paz, de direitos humanos e de gênero, que têm contribuído para a ampliação do tema e para a resolução não violenta de conflitos. Consideramos de suma importância trabalhar para a continuidade de atividades e projetos relacionados ao tema no contexto da Declaração da UNESCO sobre Cultura de Paz que completa 10 anos.

 

A cultura de paz como desafio no cenário global


O mundo contemporâneo, ao mesmo tempo que está desequilibrado, atravessado por violências de toda a natureza e feições, mundializando a guerra, mostrando sua face horrível de barbárie, apresenta um cenário promissor de mudanças através da ação de redes nacionais e locais, com suas idéias, ações diretas e institucionais. Como antídoto a esse mundo belicoso, que se assentou nos últimos cem anos na premissa do conflito como solução (guerra justa, libertadora, violência emancipadora, ataque preventivo etc), surgem projetos e intervenções de ativistas e entidades de cultura da paz.

Se pelo global passam as grandes decisões econômicas, políticas, ambientais de um mundo cada vez mais interdependente, é pelo local que se dá a verdadeira mudança, já que é o lugar da vida das pessoas, das relações consigo, com o outro, com a natureza. Mas buscamos uma localidade aberta ao global como afirma Gandhi: “Não quero que minha casa seja cercada de muros por todos os lados e que minhas janelas estejam tapadas. Quero que a cultura de todos os povos ande pela minha casa com o máximo de liberdade possível.”

No plano local desenvolvem-se no Brasil, desde os anos 1980, trabalhos e projetos de Cultura de Paz, alguns sem este nome, que estimulam valores e ações de justiça restaurativa, democracia participativa, diversidade cultural, desarmamento, diálogos com escutas e auscultas e desenvolvimento sustentável. Estas redes vitais têm dado novos sentidos ao território local de São Paulo e do país, e criado campos sinérgicos para a proliferação da paz e da não-violência. O desenvolvimento humano é um processo de ampliação de escolhas e é no local que ele acontece, já que a maioria das necessidades são realizadas e demandadas localmente. É nessa instância que se dá o pertencimento à cultura criativa e podem ser gerados espaços de convivência. É aí que se corporifica e materializa-se o global e se dá nas ações, e nas políticas públicas do Estado e da sociedade.

Sem dúvida que uma Cultura de Paz é, por natureza, internacionalista, pois entende que no diálogo intercultural entre países, raças, etnias, gêneros, gerações, práticas espirituais, modos de vida e visões de mundo poderá surgir novas sínteses criativas para a convivência.

A novidade está na pedagogia da convivência que aponta caminhos verdadeiramente concretos, com suas metodologias e processos educativos que buscam educar para a paz não apenas com valores, mas com metodologias fundamentais no próprio cenário onde a violência grassa. Uma outra grande boa nova é o estimulo à criação de políticas públicas para a Cultura de Paz, o que será debatido também nesse Encontro que estamos propondo, buscando um pensar e agir, e a ampliação das ações ao transformá-las em políticas públicas de amplo alcance e capilaridade no mundo contemporâneo, juntamente com uma pedagogia da convivência que deve estar aí presente para deslegitimar a violência direta, estrutural e cultural e apontar caminhos de convivência intercultural através da paz.

Nesse sentido, também as artes desempenham papel articulador de ações para a paz, pois através delas e com elas grupos jovens e coletivos de todas as camadas sociais desenvolvem projetos de aproximação e de reflexão acerca da convivência. Por isso pensamos que faz-se necessário pensar a Cultura de Paz em relação com o desenvolvimento sociocultural.

Nesse contexto, estamos propondo este Encontro Internacional que busca aglutinar pessoas e entidades que trabalham para um projeto de sociedade-planeta voltada para a paz como prática de convivência e como novo horizonte civilizatório.

 

OBJETIVO GERAL

Contribuir para a reflexão e ação da cultura de paz no contexto das políticas públicas e do desenvolvimento cultural no mundo globalizado

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  1. Contribuir para a formulação do conceito de cultura de paz no contexto do desenvolvimento cultural
  2. Contribuir para a formulação de políticas públicas de cultura de paz
  3. Mapear redes e organizações que trabalham com cultura de paz
  4. Promover intercâmbio de experiências de cultura de paz nos territórios
  5. Promover o diálogo intercultural com valores da cultura de paz
  6. Pensar o papel da cultura de paz na mediação de conflitos
  7. Propor projetos públicos de desenvolvimento com paz a partir da localidade
  8. Desenvolver projetos de educação para a paz